Desenhos de escalas diatônicas de dó maior e lá menor

Esses desenhos são usados em improvisação observando os critérios técnicos específicos; ferindo as cordas com unhas (dedos) ou com palheta apropriada. Também são usados para facilitar na audição de melodias, para encontrar tonalidades, para fazer arranjos e compor músicas e frases musicais.

  • Dedos (unhas): alternar indicador e médio, o polegar deve ser exercitado separadamente.
  • Palheta específica: alternar o sentido da palheta, movimentando para cima e para baixo. 

Dó maior: dó ré mi fá sol lá si dó // Lá menor relativa: lá si dó ré mi fá sol lá

Escala Diatônica de Dó e Lá menor - desenho com cordas soltas

Escala Diatônica de Dó maior e Lá menor com cinco desenhos

Cinco desenhos para escala diatônica

Mais detalhes sobre o uso dos cinco desenhos

Escala Diatônica - Cinco desenhos para improvisação

Escala Diatônica de Dó maior e Lá menor com sete desenhos

Escala Diatônica de Dó maior e Lá menor - Sete desenhos para improvisação

Mais detalhes sobre o uso dos sete desenhos

SETE DESENHOS PARA ESCALA DIATÔNICA

Dó maior e Lá menor relativa – desenhos interligados 

Escala Diatônica de Dó e Lá menor - 1 desenho com cordas soltas e 15 casas

Licença Creative Commons JuarezBarcellos.com de Juarez Barcellos de Paula, licenciado sob uma licença CreativeCommonsAtribuiçãoNãoComercialCompartilhaIgual3.0NãoAdaptada.

Anúncios

6 opiniões sobre “Desenhos de escalas diatônicas de dó maior e lá menor

    • Olá, Carlos. Inicialmente, aplicar os desenhos como estão dispostos acima, você precisa de uma música em dó maior ou lá menor. Existem muitas maneiras de aplicar esses desenhos, mas o primeiro passo é decorá-los. Decore pelo menos o grupo de cinco desenhos e então daremos outro passo.
      Obrigado.

    • Bom dia, Washington.

      Ainda não publiquei nada sobre “modos gregos” porque procuro usar uma linguagem mais clara para quem está começando. O estudo dos modos é uma questão quase filosófica, tem mais utilidade para estudo do que para a prática.
      Por exemplo: num compasso de uma música está cifrado o acorde G7, as possibilidades de improvisação são tão amplas, que se torna banal questionar o modo a ser aplicado.
      Na minha opinião, o estudo dos modos é histórico e não prático. Publicarei um estudo sobre modos gregos em breve.

      Frote abraço – obrigado pela participação.

  1. conheço esse ciclo d equintas a pelo menos 15 anos tanto diatonicos e pentatonicos porem ate hoje nao sei aplicar pq nunca tive aula de guitarra mas so esse material ja mostra a qualidade do site parabens

    • Obrigado, Chris.
      Sobre a aplicação, têm um conjunto de informações que é fundamental. Vou resumir:
      Para a escala de Dó maior, utilizam-se, principalmente seis acordes – são eles: C Dm Em F G e Am.
      Para a escala de Lá menor, utilizam-se, principalmente os mesmos acordes, porém, em ordem diferente: Am C Dm Em F e G
      Lembre-se que as músicas começam e terminam com o acorde que dá nome ao tom (ou escala).
      Assim, se a música está em Dó maior ou Lá menor, tanto a diatônica, quanto a pentatônica, de Lá menor, são as principais opções para uso em solos.
      Em relação à técnica, existe uma série de exercícios padronizados que dão ao músico possibilidades de aplicação e estímulo à criatividade. Publicarei esses padrões em breve.
      Existem técnicas de associação das notas do acorde dentro da escala, todavia, a sensibilidade auditiva deve ser a primeira técnica a ser trabalhada, porque ela já está em você.
      Forte abraço!

Comentários e perguntas - acrescente sua cidade e estado

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s