Eusébio de Cesaréia

História Eclesiástica

Livro I

Capítulo 2

Resumo Visto da Pré-existência e Divindade de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

1. Uma vez que em Cristo há uma dupla natureza, e na medida em que ele é pensado como Deus, se assemelha à cabeça do corpo, enquanto o outro pode ser comparado com os pés, na medida em que ele, por causa da nossa salvação, possui natureza humana com as mesmas paixões, como a nossa – o trabalho seguinte será completo apenas se começarmos com os eventos principais e nobres de toda a sua história. Desta forma, será a antiguidade e divindade do cristianismo mostrada para aqueles que supõem que sua origem seja recente ou estrangeira, ou imaginem que ele tenha aparecido ontem.
2. Nenhuma linguagem é suficiente para expressar a origem e o valor, o ser e a natureza de Cristo. Por isso também o Espírito divino diz nas profecias: “Quem declarará sua geração?” Isaías 53:8 Pois ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e ninguém conhecer o Filho corretamente, senão o Pai que o gerou.
3. Quem, senão o Pai poderia entender claramente a Luz que estava diante do mundo, a sabedoria intelectual e essencial que existia antes dos tempos, a Palavra viva que estava no princípio com o Pai e que era Deus, o primeiro e único nascido de Deus que era antes de toda criatura e criação visível e invisível, o comandante em chefe do exército racional e imortal do céu, o anjo do grande conselho, o executor da vontade tácita do Pai, o Criador, com o Pai, de todas as coisas, a segunda causa do universo depois que o Pai, o Filho verdadeiro e unigênito de Deus, o Senhor, Deus e Rei de todas as coisas criadas, aquele que recebeu domínio e poder, com a própria divindade, e com força e honra do Pai, como é dito em relação a ele nas passagens místicas da Escritura que falam de sua divindade: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” [João 1:1] “Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada feito.” [João 1:3]
4. Isto, também, o grande Moisés ensina, quando, como o mais antigo de todos os profetas, descreve, sob a influência do Espírito divino na criação e disposição do universo. Ele declara que o criador do mundo e criador de todas as coisas rendeu ao próprio Cristo, e ninguém menos do que a sua própria Palavra claramente divina e nascida primeiro, a criação de seres inferiores, e conversava com ele sobre a criação do homem. “Porque”, segundo ele, “Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem e conforme a nossa semelhança.” [Gênesis 1:26]
5. E outro dos profetas confirma isso ao falar de Deus nos seus hinos como segue: “Ele falou e eles foram feitos, ele mandou e foram criados.” Ele se referiu ao Pai e Criador como Rei de todos, ordenando com um aceno real, e também à Palavra divina, ninguém menos do que Aquele que é proclamado por nós, como o realizador das ordens do pai.
6. Tudo o que se diz que se destacaram na justiça e piedade desde a criação do homem, o grande servo Moisés e antes dele, em primeiro lugar Abraão e seus filhos, e como muitos homens que posteriormente se mostraram justos e profetas, contemplando-o com o puro olho da mente, e o reconheceram e ofereceram a ele o culto que lhe é devido como Filho de Deus.
7. Mas, sem negligenciar a reverência devida ao Pai, foi nomeado para ensinar o conhecimento do Pai a todos eles. Por exemplo, diz-se que o Senhor Deus apareceu como um homem comum a Abraão, enquanto ele estava sentado nos carvalhais de Manre. E ele, imediatamente se prostrou, embora ele tenha visto um homem com os olhos, no entanto, o adorou como Deus, e sacrificou a ele como Senhor, e confessou que não ignorava sua identidade, quando pronunciou as palavras: “Senhor, o juiz de toda a terra, não fará o julgamento justo?” [Gênesis 18:25]
8. Pois, se é razoável supor que a essência não gerada e imutável de Deus todo poderoso foi transformada na forma de homem, ou que enganou os olhos dos espectadores com o surgimento de alguma coisa criada, e se não é razoável supor que, por outro lado, que a Escritura deve falsamente inventar essas coisas, quando o Deus e Senhor que julga toda a terra e executa julgamento é visto sob a forma de homem, que mais pode ser chamado, se não ser lícito chamá-lo de a causa primeira de todas as coisas, de sua única Palavra pré-existente? Acerca do qual se diz em Salmos: “Enviou a sua Palavra e os sarou, e os livrou da sua destruição.”
9. Moisés anuncia mais claramente o segundo Senhor depois do Pai, quando ele diz: “O Senhor fez chover sobre Sodoma e Gomorra enxofre e fogo do Senhor.” [Gênesis 19:24] A divina Escritura também o chama de Deus, quando ele apareceu novamente a Jacó na forma de homem, e disse a Jacó: “Seu nome não será mais Jacó, mas Israel será o teu nome, porque lutou com Deus.” [Gênesis 32:28] Por isso também chamou Jacó o nome daquele lugar “Visão de Deus”, dizendo: “Porque eu tenho visto Deus face a face, e a minha vida foi preservada.” [Gênesis 32:30]
10. Nem é admissível supor que as teofanias registradas foram aparições de anjos subordinados e ministros de Deus, pois sempre que qualquer um destes apareceu aos homens, a Bíblia não esconde o fato, mas chama-os pelo nome e não Deus, nem Senhor, mas anjos, como é fácil de provar por inúmeros testemunhos.
11. Josué, também, o sucessor de Moisés, o chama, como líder dos anjos celestiais e arcanjos e dos poderes supramundanos e, como tenente do Pai, confiou com o segundo posto de soberania e domínio sobre tudo, “capitão do exército do Senhor”, embora ele não o visse senão novamente na forma e aparência de um homem. Pois está escrito:
12. “E sucedeu que, estando Josué em Jericó, olhou e viu um homem em pé diante dele com uma espada desembainhada na mão, e Josué foi até ele e disse: Você está conosco ou com os nossos adversários? E ele disse: não, mas venho agora como chefe do exército do Senhor. Então Josué se prostrou com o rosto em terra e disse-lhe: Senhor, o que ordena a teu servo? E o capitão do Senhor disse a Josué: descalça as sandálias de teus pés, porque o lugar em que estás é santo”.
13. Percebe-se também a partir das mesmas palavras que este não era outro senão aquele que falava com Moisés porque a Escritura usa as mesmas palavras com referência a ele: “Quando o Senhor viu que ele se aproximava para ver, o Senhor chamou-o do meio da sarça e disse: Moisés, Moisés. E ele disse: O que é? E ele disse: Não te chegues para cá, tire as sandálias de teus pés, porque o lugar em que estás é terra santa e disse-lhe: Eu sou o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó”.
14. E que há certa substância que viveu e subsistia antes do mundo, e que servia ao Pai e Deus do universo para a formação de todas as coisas criadas, e que é chamado a Palavra de Deus e sabedoria, podemos citar outras provas, além das já citadas, a partir da boca da Sabedoria revela sobre si mesma, que revela mais claramente através de Salomão os seguintes mistérios: “Eu, a Sabedoria, falei com prudência e conhecimento, e invocaram o entendimento através de mim reis e reinado, e os príncipes ordenam justiça. Através de mim os grandes são ampliados, e através de mim soberanos governam a terra.”
15. Ao que acrescenta: “O Senhor me criou, no início de seus caminhos, para as suas obras, antes do mundo, ele me estabeleceu, no início, antes de fazer a terra, antes de fazer as profundezas, antes de firmar os montes, antes de todas as colinas ele me gerou. Quando ele preparava os céus, eu estava presente com ele, e quando ele estabeleceu as fontes da região debaixo do céu eu estava com ele, dispondo eu era o único em quem tinha prazer; diariamente me alegrei diante dele em todos os momentos em que ele se alegrava por ter completado o mundo.”
16. Que a Palavra divina, portanto, pré existia e apareceu para alguns, se não a todos, foi assim brevemente mostrado por nós.
17. Mas por que o Evangelho não foi pregado em tempos antigos a todos os homens e todas as nações, como é agora, irá aparecer a partir das seguintes considerações. A vida dos antigos, não era de natureza tal que lhes permita receber o ensinamento todo sábio e todo virtuoso de Cristo.
18. Para imediatamente no início, depois de sua vida original da bem-aventurança, o primeiro homem desprezado o mandamento de Deus, e caiu neste estado mortal e perecível, e trocou seu antigo luxo divinamente inspirada por esta terra carregada de maldição. Seus descendentes preencheram a nossa terra, mostraram-se muito pior, com a exceção de um, aqui e ali, e entrou em certo modo brutal e insuportável de vida.
19. Eles não pensaram em cidades, estados, nem nas artes, nem nas ciências. Eles eram ignorantes até mesmo do nome de leis e da justiça, da virtude e da filosofia. Como nômades, eles passaram suas vidas em desertos, como animais selvagens e ferozes, destruindo, por um excesso de maldade voluntária, a razão natural do homem, e as sementes do pensamento e da cultura implantada na alma humana. Deram-se totalmente sobre todos os tipos de palavrões, a seduzir um ao outro, a matar um ao outro, a comer carne humana, atrevendo-se a empreender a guerra com os deuses e empreender aquelas batalhas dos gigantes celebradas por todos; agora planejando fortificar a terra contra o céu, e na loucura de orgulho desgovernada para preparar um ataque contra o próprio Deus de todos.
20. Por conta dessas maldades realizadas pelos homens, o Deus que tudo vê enviou-lhes inundações e incêndios, como em cima de uma floresta selvagem espalhada por toda a terra. Ele os oprimiu com fomes contínuas e pragas, com as guerras, e com raios do céu, como se estivesse a tratar alguma doença terrível e obstinada das almas com punições mais severas.
21. Então, quando o excesso de maldade havia dominado quase toda a terra, como numa profunda embriaguez obscurecem em trevas as mentes dos homens, a sabedoria primogênita e a primeira criação de Deus, o próprio Verbo preexistente, induzido por seu amor superior para o homem, apareceu aos seus servos em forma de anjos e novamente para um e outro daqueles antigos que desfrutavam do favor de Deus, em sua própria pessoa, como o poder salvador de Deus; e não de outra forma, no entanto, do que na forma de homem, uma vez que foi impossível aparecer em qualquer outra forma.
22. E, por ele, as sementes de piedade foram semeadas entre os homens, e toda uma nação de descendente de hebreus dedicaram-se persistentemente à adoração a Deus que fora transmitida a eles por meio do profeta Moisés, como a multidões ainda corrompidas pelas suas práticas antigas, por meio de imagens e símbolos de um determinado sábado místico e da circuncisão, e elementos de outros princípios espirituais, mas ele não lhes concedeu um conhecimento completo dos próprios mistérios.
23. Mas quando a sua lei tornou-se célebre, e, como um odor doce, foi difundida entre todos os homens, como resultado de sua influência as disposições da maioria dos pagãos foram amaciados pelos legisladores e filósofos que surgiram de todos os lados, e a sua natureza e brutalidade selvagem transformou-se em suavidade, para que eles desfrutassem de profunda paz, amizade e convívio social. Então, finalmente, no momento da origem do Império Romano, apareceu novamente a todos os homens e as nações de todo o mundo, que foram, por assim dizer, assistidos anteriormente, e antão eles estavam equipados para receber o conhecimento do Pai, esse mesmo professor de virtude, o ministro do Pai em todas as coisas boas, o Verbo divino e celestial de Deus em um corpo humano não diferente do nosso. Ele fez e sofreu as coisas que haviam sido profetizadas. Para ele tinha sido predito que aquele que era ao mesmo tempo, homem e Deus, deveria vir e habitar no mundo, realizar obras maravilhosas, e mostrar-se um professor para todas as nações da piedade do Pai. A maravilhosa natureza de seu nascimento, e seu novo ensinamento, e suas obras maravilhosas também tinha sido predito, assim também a maneira de sua morte, sua ressurreição dentre os mortos, e, finalmente, sua ascensão divina no céu.
24. Por exemplo, o profeta Daniel, sob influência do Espírito divino, vendo o seu reino no final dos tempos, foi inspirado, assim, para descrever a visão divina em linguagem de compreensão humana: “Pois eu vi”, diz ele, “até tronos foram colocados, e um ancião de dias se assentou, seu vestido era branco como a neve e o cabelo da sua cabeça como a pura lã; seu trono era de chamas de fogo, suas rodas eram fogo ardente e um rio de fogo fluiu diante dele. Milhares de milhares o serviam, e dez mil vezes dez mil estavam diante dele. Ele nomeou juízo, e os livros foram abertos.” [Daniel 7:9-10]
25. E, novamente, “eu vi”, diz ele, “e eis que um como o Filho do Homem veio com as nuvens do céu, e ele apressou-se até o Ancião de Dias e foi trazido à sua presença, e foi-lhe dado o domínio e a glória, e o reino, para que todos os povos, tribos, línguas o servissem; o seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o seu reino não será destruído.” [Daniel 7:13-14]
26. É claro que essas palavras podem se referir a ninguém mais do que o nosso Salvador, o Deus Verbo que estava no princípio com Deus, e que foi chamado o Filho do homem por causa de sua última aparição em carne e osso.
27. Mas desde que reunimos em livros separados as seleções dos profetas que se relacionam ao nosso Salvador Jesus Cristo e arranjaram em uma forma mais lógica aquelas coisas que se revelaram acerca dele, o que se disse será suficiente por enquanto.

Licença Creative Commons Licenciado sob Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.

Anúncios

Comentários e perguntas - acrescente sua cidade e estado

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s